quinta-feira

Ri-se bem - é boa pessoa

"O riso exige em primeiro lugar sinceridade, mas onde está a sinceridade das pessoas? O riso exige a ausência de maldade, mas as pessoas, na maioria dos casos, riem com maldade. Um riso sincero e sem maldade é uma pura alegria, mas, nos tempos que correm, onde está a alegria? E poderão as pessoas ser alegres?
A alegria é um dos mais reveladores traços humanos, basta a alegria para revelar as pessoas dos pés à cabeça. Por vezes não há meio de percebermos o carácter de uma pessoa, mas basta ela rir para lhe conhecermos o feitio como às palmas das nossas mãos. Só as pessoas desenvolvidas do modo mais elevado e feliz sabem ser contagiosamente alegres, de uma maneira irresistível e benévola. Não falo de desenvolvimento intelectual, mas de carácter, do homem como um todo. Portanto: se quiserdes compreender uma pessoa e conhecer-lhe a alma não presteis atenção à sua maneira de se calar, ou de falar, ou de chorar, ou de se emocionar com as ideias mais nobres, olhai antes para ela quando se ri. Ri-se bem - é boa pessoa.

Observai depois todos os matizes: por exemplo, é preciso que o riso não pareça estúpido, por mais alegre e ingénuo que seja. Mal detecteis a mais pequena nota de estupidez num riso, ficai sabendo que a pessoa que assim ri é intelectualmente limitada, apesar de deitar cá para fora um sem-fim de ideias. Mesmo que o riso não seja estúpido, se vos parecer ridículo, nem que seja um pouquinho, ficai sabendo que não há na pessoa que o ri uma verdadeira dignidade, pelo menos uma dignidade suficiente. Por último, notai que, mesmo que um riso seja contagioso mas por qualquer razão vos pareça vulgar, também a natureza dessa pessoa é vulgar, que toda a nobreza e espírito sublime que tínheis visto nela ou são fingidos ou imitados inconscientemente, e que essa pessoa, no futuro, mudará inevitavelmente para pior, dedicar-se-á ao «útil», abandonando sem pena as ideias nobres como sendo erros e paixões da juventude."


5 comentários:

josé luís disse...

...deixemos as mulheres risonhas aos homens sisudos?

Jamil S.P. disse...

Que coincidência, semana passada separei na estante dois livros que há tempos estou para ler. O primeiro: Le Rire - Essai sur la signification du comique, do Bergson; o segundo: História do Riso e do Escárnio, do Georges Minois. Tanta coisa interessante pra ler e tão pouco tempo...

Plasticine disse...

Maravilhoso!
Já agora, uma vez li que rir em "U" é um atestado de estupidez...

fica atenta ;)

Morcegos no Sótão disse...

Acho que estou com medo de rir, agora. :P

MJNuts

Beatrix Kiddo disse...

deixemos as mulheres risonhas aos homens sisudos que se deixem influenciar pelas mulheres risonhas...senão é trabalho de cão

não há umas aulas de riso agora? que as pessoas se juntam a rir e vão-se embora no fim? modernices